GT

Please select your country / region

Close Window
Comunidade do GT SPORT
BR
TopoLeia os relatóriosNations CupManufacturer SeriesCalendárioArquivos

Voltar para a lista

NATIONS CUP
Numa disputa apertada, Adriano Carrazza vence as Finais Regionais das Américas
Finais Regionais (Américas) | Série de 2020 da Nations Cup
29/11/2020

Apesar dos problemas causadas pela pandemia global, as corridas virtuais online continuam, e os FIA Gran Turismo Championships começaram na semana passada com a região da Europa/Oriente Médio/África (EMEA). Com todos os participantes jogando de casa, as corridas foram tão emocionantes quanto imprevisíveis. No fim, foi o eterno queridinho da torcida Coque López, da Espanha, que acabou vencendo o campeonato da região, com uma incrível estratégia de parada nos boxes na grande final. Nesta semana, todos estavam de olho na região das Américas e na volta do campeão de 2018 Igor Fraga, do Brasil, às corridas da Nations Cup, levantando a seguinte questão: seria o piloto da Fórmula 3 ainda capaz de dominar o mundo do automobilismo virtual?

Em 2020, o formato da competição foi levemente modificado e dividido em três regiões principais: Américas, Ásia/Oceania e EMEA (Europa, Oriente Médio e África). Cada região é formada por 16 competidores, com os 12 pilotos de melhor classificação da região e mais quatro jogadores selecionados na prova de tempo online chamada de Etapa Extra. Neste ano, a região das Américas foi composta de pilotos representado seis países, incluindo Costa Rica e Guatemala. Três corridas foram disputadas, com os quatro primeiros colocados da região avançando para as World Finals. (Observação: oito pilotos da EMEA avançaram para as World Finals, e quatro pilotos representarão a região da Ásia/Oceania, incluindo Takuma Miyazono, do Japão, que já garantiu vaga por ter vencido a "World Tour – Sydney" no começo do ano). Os grids de largada de todas as corridas serão determinados por uma classificatória de 10 minutos, com pontos concedidos aos 10 primeiros colocados de cada corrida.

Com a largada definida para a Corrida 1, estava na hora de apertar os cintos.

Corrida 1

Nossa primeira parada foi São Paulo, Brasil, lar do famoso Autódromo de Interlagos. Para essa corrida de sete voltas com veículos do Grupo 3, todos os carros tinham de usar pneus duros durante todo o percurso. Também não era permitido fazer paradas para reabastecer. O chileno Nicolás Rubilar (FT_NicoR), com seu Hyundai Genesis, ficou com a pole para mostrar que não estava para brincadeira, com o canadense Andrew Brooks (PX-7-Deafsun), vencedor da Série Online da América do Norte, ficou logo atrás dele, no comando de um Dodge Viper SRT. O terceiro melhor tempo da classificatória ficou com o Porsche 911 RSR pilotado pelo campeão online da América do Sul Angel Inostroza (YASHEAT_Loyrot), também do Chile, com o brasileiro Lucas Bonelli (TGT_Bonelli) em quarto lugar no seu Aston Martin V12 Vantage. Outro destaque foi o brasileiro Igor Fraga (IOF_RACING17), que, talvez meio enferrujado, teve que amargar a 7ª posição com um Mazda Atenza (Mazda6).

Quando a bandeira verde desceu, os carros dispararam em fila pela linha de chegada, com os pilotos tomando todos os cuidados com os pneus duros. Na volta 2, Inostroza começou a partir para cima de Brooks em busca do segundo lugar, com o Hyundai Genesis de Rubilar começando a deixar os outros para trás. Enquanto Brooks defendia bravamente sua posição, o resto dos pilotos não deixou barato e partiu para o ataque. Apenas um segundo e meio separavam o segundo do sétimo colocado.

Com o Porsche 911 quase alcançando 260 km/h, Inostroza resolveu ultrapassar Brooks na reta frontal, seguindo por dentro na curva 1. Os dois carros se bateram, mas Brooks conseguiu manter a posição. Outras ultrapassagens aconteceram na pista, a maioria delas sem sucesso. Estava ficando claro que Interlagos estava entre as pistas mais difíceis para fazer ultrapassagens: a ordem da corrida permaneceu inalterada pelas voltas seguintes.

Tudo isso era perfeito para Rubilar, que havia conquistado uma vantagem de 2 segundos que só aumentava a cada instante. Na metade da corrida, as primeiras sete posições estavam nas mãos de Rubilar, Brooks, Inostroza, Bonelli, o americano Randall Haywood (Lexus RC F) e o brasileiro Adriano Carrazza (Volkswagen GTI VGT).
Não havia ultrapassagens nem mesmo entre os pilotos que não estavam na ponta, com Tristan Bayless (EUA), Fabián Portilla (Chile) e o americano Kevan Pounder em 8º, 9º e 10º, respectivamente, tendo conquistado uma vantagem folgada em relação ao 11º colocado.

Na volta final, Lucas Bonelli fez a manobra mais ousada da corrida, voando e deixando para trás o Porsche 911 de Inostroza, quase encostando na traseira do Dodge Viper de Brooks. O 2º lugar valia dez pontos, que o brasileiro parecia decidido a ganhar. No entanto, enquanto Bonelli estava preocupado em ultrapassar o canadense, Inostroza veio por trás e reconquistou o 3º lugar na Curva da Ferradura (curva 6). A manobra afetou bastante o desempenho de Bonelli, que caiu da 3ª para a 6ª posição em questão de duas curvas.

No final, a vitória ficou para Rubilar. O vencedor da World Tour de 2019 cruzou a linha de chegada e conquistou os 12 pontos da corrida. Brooks, que se defendeu dos competidores a corrida inteira, conquistou um merecido 2º lugar, seguido por Inostroza, Carrazza e Haywood. A frustração sentida por vários pilotos nessa primeira corrida prometia manobras ousadas e fortes emoções na próxima disputa.

CLASSIFICAÇÃO PILOTO TEMPO
1 Nicolás Rubilar FT_NicoR 10:47.234
2 Andrew Brooks PX7-Deafsun +03.555
3 Angel Inostroza YASHEAT_Loyrot +03.613
4 Adriano Carrazza KoA_Didico15 +04.590
5 Randall Haywood TX3_Originals +05.050
6 Lucas Bonelli TGT_BONELLI +05.130
7 Igor Fraga IOF_RACING17 +05.477
8 Tristan Bayless roadbeef +06.726
9 Fabián Portilla PerrolocoMcQ +08.002
10 Kevan Pounder PX7-Windfire +09.374
11 Daniel Solis Px7-Lamb +11.203
12 Juan Hernandez JUNCOS_Kangreti +11.518
13 Robert Heck VSR_Robert +12.532
14 Bernal Valverde Infinity_BernalV +12.535
15 Nick McMillen GumballCGT +13.402
16 Mark Pinnell Turismo-lester +13.501

Corrida 2

O local da Corrida 2 foi a WeatherTech Raceway Laguna Seca, no norte da Califórnia, com os pilotos comandando veículos de rally do Grupo B. Outra classificatória de 10 minutos decidiu o grid de largada. O brasileiro Lucas Bonelli veio com raiva, disparando na pista e conquistando a pole position. Como na última vez, os jogadores teriam de correr com pneus duros durante as dez voltas. Ou seja, nada de pit stops.

Depois da largada em movimento, ficou claro que essa seria uma corrida diferente da última. Na primeira volta, Adriano Carrazza (Brasil) fez uma manobra ousada para cima do Peugeot RCZ do canadense Andrew Brooks, passando por dentro da Curva 2 e conquistando o 3º lugar. Na volta 2, os cinco primeiros colocados estavam com uma vantagem de 1,6 segundos em relação ao resto dos competidores. Quando os carros entraram na Volta 3, houve mais tentativas de ultrapassagem, com Brooks reconquistando o 3º lugar na mesma curva fechada em que havia sido derrotado. Nicolás Rubilar também tentou uma ultrapassagem, mas Carrazza acabou com a brincadeira. Com os carros chegando a 200 km/h na reta oposta, logo antes da famosa Corkscrew, os líderes Bonelli, num Honda NSX, e o chileno Angel Inostroza, pilotando um Peugeot RCZ, haviam aumentado a vantagem para mais de um segundo e meio em relação ao resto dos pilotos.

Na metade da corrida, Bonelli, Inostroza, Brooks, Carrazza e Nicolás Rubilar (Chile) estavam com as primeiras posições.

Na volta 6, Rubilar tentou uma ultrapassagem apertada em cima de Carrazza na Corkscrew para ficar com o 3º lugar, quando o americano Randall Haywood veio do nada e passou pelo Subaru WRX de Rubilar para conquistar o 5º lugar. Mas Rubilar mostrou para todos por que sempre é considerado um franco favorito e reconquistou a posição na curva seguinte. Enquanto os três primeiros colocados haviam conquistado uma vantagem de 4 segundos, apenas 1,5 segundo separavam o 5º do 9º colocado. Ou seja, boa parte da ação estava rolando nas posições intermediárias.

Pelas voltas seguintes, Inostroza seguiu tirando tinta do NSX de Bonelli, não deixando o brasileiro ficar mais de meio segundo na frente ao longo da pista. Depois, na volta 8, veio o momento decisivo da corrida. Inostroza exagerou um pouco quando foi com tudo para cima da traseira do NSX de Bonelli, numa colisão que mandou o brasileiro para fora da pista. O acidente permitiu que Brooks passasse pelos dois carros e ficasse com a liderança. Ter os dois líderes da disputa eliminando um ao outro era a situação ideal para o canadense que havia aguardado pacientemente em 3º lugar por duas corridas.

Inostroza recebeu uma penalidade de dois segundos pelo acidente na curva 6. Felizmente para o chileno, isso não custou a posição dele. Enquanto isso, o também chileno Rubilar estava tendo todo tipo de problema, sendo pego no fluxo de carros e ultrapassado pelos outros pilotos, despencando para um lastimável 9º lugar.

Quando a bandeira quadriculada estava sendo agitada, foi Andrew Brooks que passou na frente, levando os 12 pontos da corrida e acumulando 22 no placar da Grande Final. Outro destaque foi o americano Daniel Solis, que pilotava um Toyota 86 Gr.B e foi na surdina do 8º para o 5º lugar.

CLASSIFICAÇÃO PILOTO TEMPO
1 Andrew Brooks PX7-Deafsun 14:23.830
2 Angel Inostroza YASHEAT_Loyrot +02.321
3 Lucas Bonelli TGT_BONELLI +03.990
4 Adriano Carrazza KoA_Didico15 +06.744
5 Daniel Solis Px7-Lamb +07.354
6 Randall Haywood TX3_Originals +08.411
7 Kevan Pounder PX7-Windfire +08.704
8 Nicolás Rubilar FT_NicoR +09.069
9 Juan Hernandez JUNCOS_Kangreti +09.236
10 Nick McMillen GumballCGT +11.891
11 Robert Heck VSR_Robert +15.317
12 Bernal Valverde Infinity_BernalV +15.542
13 Igor Fraga IOF_RACING17 +15.780
14 Tristan Bayless roadbeef +17.739
15 Fabián Portilla PerrolocoMcQ +17.834
16 Mark Pinnell Turismo-lester +21.001

Grande Final

Embora o canadense Andrew Brooks viesse embalado pela vitória na última corrida, o campeonato ainda não estava decidido. Tudo porque a Grande Final, uma corrida de 25 voltas na Sardegna - Road Track - A, concedia o dobro de pontos. Ou seja, quem não tivesse pontuado nas primeiras corridas ainda podia vencer a parada. Com o requisito de dar pelo menos uma volta com cada composto de pneu, o campeonato poderia ser decidido por uma boa estratégia de parada, como aconteceu na semana anterior, durante a disputa da região Europa/Oriente Médio/África.

O clima esquentou antes mesmo do início da corrida, quando o campeão de 2018, Igor Fraga (Brasil), que estava com quatro pontos nas duas primeiras corridas, ficou em 4º lugar no grid de largada. Será que ele conseguiria conquistar a maior virada da história dos FIA GT Championships? Com o suspense crescendo, foi outro conterrâneo dele, Adriano Carrazza, quem teve o melhor tempo na classificatória, conquistando a pole position e ficando na frente de Angel Inostroza (Chile) e Brooks. Os três primeiros começaram a corrida com pneus suaves, enquanto Fraga optou pelos médios.

Assim que a corrida começou, Fraga já começou a ficar sob fogo cerrado, com Juan Hernandez (Guatemala) e Nicolás Rubilar (Chile), ambos com pneus suaves, tentavam ultrapassá-lo. Na última curva da primeira volta, Brooks cometeu um erro de direção, permitindo que Fraga o ultrapassasse e ficasse com o 3º lugar. Na volta 2, Brooks veio com tudo para reconquistar o 3º lugar. Ele partiu para o ataque e encostou em Fraga na curva 4, mandando o brasileiro para fora da pista. O acidente fez Fraga cair para a 5ª posição. No entanto, algumas curvas depois, sob pressão de Bonelli e Rubilar, Fraga saiu da pista de novo e acabou despencando para uma triste 10ª posição. Foi aí que a tragédia aconteceu com um outro brasileiro, Bonelli, que perdeu o controle do carro e bateu na mureta antes da última curva da volta 2, caindo para o 11º lugar, uma posição à frente de Fraga, que havia caído mais uma vez.

Na volta 3, Hernandez ultrapassou Brooks para ficar com a 3ª posição enquanto Carrazza (o único brasileiro que não teve problemas) abria uma vantagem de 1,4 segundo. Na volta seguinte, Brooks, pegando o vácuo de Hernandez na reta oposta, reconquistou o 3º lugar. Enquanto isso, Rubilar, que ainda tinha altas chances de conquistar o campeonato, vinha subindo do 7º para o 5º lugar. Com tanto em jogo na corrida, os pilotos estavam colocando tudo na linha, entrando em riscos perigosos e usando ao máximo o desempenho dos carros. Na pista inteira, a corrida ficou eletrizante.

O primeiro pit stop ocorreu na volta 7, quando os carros do meio entraram nos boxes para trocar de pneu e reabastecer. Alguns dos primeiros colocados entraram nos boxes na volta seguinte, como Hernandez e Inostroza, que pegou pneus duros da Michelin, só usando os macios na volta posterior. Na volta 9, os líderes da corrida, Carrazza e Brooks, entraram nos boxes, ambos pegando pneus macios de novo e voltando para a pista em 1º e 2º lugar.
Na metade da corrida, Carrazza estava 2 segundos à frente de Brooks, seguido por Hernandez e pelo trio de americanos Robert Heck, Tristan Bayless e Nick McMillen, antigo vencedor da GT Academy. Se a corrida continuasse assim até o final, Brooks venceria o campeonato, ganhando de Carrazza, mas ainda havia muita coisa para acontecer.

Na volta 12, Fraga, mostrando a garra de um antigo campeão, chegou ao 7º lugar com pneus macios, mas era o conterrâneo dele, Carrazza, que estava ditando o rumo da partida, ficando 1,3 segundo à frente de Brooks. Com os carros da Red Bull superando os 300 km/h nas retas, uma batalha começou a surgir pelo 4º, 5º e 6º lugar, com Fraga, Heck e Rubilar partindo para o ataque, num confronto acirrado a 250 km/h nas últimas três curvas da pista. Era adrenalina pura, e você pode ter certeza que várias expressões impróprias foram ditas em três idiomas diferentes durante a disputa.

Na volta 15, Carrazza e Brooks entraram nos boxes, com o brasileiro pegando pneus duros, os quais ele teria que trocar na volta seguinte para cumprir os requisitos da corrida. Brooks escolheu pneus médios e encheu o tanque, mas ainda precisava usar pneus duros por uma volta para obedecer aos requisitos da disputa.

Quando todos voltaram para a pista, Carrazza estava em 6º lugar, Brooks em 3º, seguidos por Inostroza e Hernandez. Os dois fizeram um pit stop na volta seguinte e acabaram entregando a liderança para Brooks na volta 18. A essa altura, Brooks estava 5 segundos à frente de Carrazza, mas ainda precisava entrar nos boxes para dar uma volta com pneus duros. Carrazza só precisava evitar qualquer problema e manter o ritmo para vencer a corrida.

Na última volta, Brooks entrou nos boxes. Ele precisava voltar em 2º lugar para conquistar o campeonato regional, mas Inostroza já havia disparado na frente, deixando o canadense em 3º. Enquanto isso, Carrazza conquistou a liderança, que manteve até a linha de chegada. Com a vitória, o brasileiro venceu o campeonato e garantiu uma vaga nas World Finals, além de preciosos oito pontos.

Inostroza, que chegou em 2º lugar, também se classificou, junto com Brooks (3º) e Bonelli (4º). Vale ressaltar que os três primeiros classificados empataram no total de pontos, com 38 cada um, mas Carrazza venceu o título por ter conquistado a melhor posição na Grande Final.

CLASSIFICAÇÃO PILOTO TEMPO
1 Adriano Carrazza KoA_Didico15 36:09.532
2 Angel Inostroza YASHEAT_Loyrot +01.562
3 Andrew Brooks PX7-Deafsun +04.231
4 Lucas Bonelli TGT_BONELLI +09.004
5 Juan Hernandez JUNCOS_Kangreti +09.009
6 Robert Heck VSR_Robert +11.441
7 Randall Haywood TX3_Originals +14.152
8 Igor Fraga IOF_RACING17 +15.258
9 Nicolás Rubilar FT_NicoR +17.979
10 Kevan Pounder PX7-Windfire +20.053
11 Bernal Valverde Infinity_BernalV +21.129
12 Fabián Portilla PerrolocoMcQ +22.760
13 Mark Pinnell Turismo-lester +30.234
14 Tristan Bayless roadbeef +31.016
15 Nick McMillen GumballCGT +39.499
16 Daniel Solis Px7-Lamb - - -

Na entrevista depois da corrida, Adriano Carrazza só foi saber que era o novo campeão das Américas quando a entrevistadora, Julia Hardy, contou para ele.

"O quê? Eu sou o campeão das Américas? Sim! Bom, estou bem feliz com o meu desempenho, especialmente na última corrida. Fui bem na classificatória e aí só tentei manter o ritmo na própria corrida. Acho que a minha estratégia nos boxes foi boa e, no fim, deu tudo certo", ele disse.

Resultados das Finais Regionais (Américas) | Série de 2020 da Nations Cup

CLASSIFICAÇÃO PILOTO CORRIDA 1 CORRIDA 2 GRANDE FINAL TOTAL DE PONTOS
1 Adriano Carrazza KoA_Didico15 7 7 24 38
1 Angel Inostroza YASHEAT_Loyrot 8 10 20 38
1 Andrew Brooks PX7-Deafsun 10 12 16 38
4 Lucas Bonelli TGT_BONELLI 5 8 14 27
5 Randall Haywood TX3_Originals 6 5 8 19
5 Nicolás Rubilar FT_NicoR 12 3 4 19
7 Juan Hernandez JUNCOS_Kangreti 0 2 12 14
8 Robert Heck VSR_Robert 0 0 10 10
8 Igor Fraga IOF_RACING17 4 0 6 10
10 Kevan Pounder PX7-Windfire 1 4 2 7
11 Daniel Solis Px7-Lamb 0 6 0 6
12 Tristan Bayless roadbeef 3 0 0 3
13 Fabián Portilla PerrolocoMcQ 2 0 0 2
14 Nick McMillen GumballCGT 0 1 0 1
15 Bernal Valverde Infinity_BernalV 0 0 0 0
15 Mark Pinnell Turismo-lester 0 0 0 0
FIA GT Championships 2020 | Nations Cup | Finais Regionais | Região das Américas
Disputas acirradas até a última volta das Finais. Assista pa...

Voltar para a lista