Please select your country / region

Close Window
GT
Comunidade GT SPORT
PT

RECAPITULAÇÃO DA TEMPORADA 2014 DA GT ACADEMY INTERNACIONAL

RECAPITULAÇÃO DA TEMPORADA 2014 DA GT ACADEMY INTERNACIONAL

A GT Academy International fez a sua estreia em 2014, acolhendo pela primeira vez um grupo de concorrentes da Austrália, Índia, México, Médio Oriente e Tailândia.

Corridas online e eventos ao vivo atraíram centenas de milhares de jogadores do Gran Turismo®6 a competir pelas Finais Nacionais, que decorreram em Melbourne, Jaipur, Cidade do México, Dubai, e Banguecoque, ao longo de junho e julho. A vasta área geográfica em que o programa de este ano se estendeu dá continuidade ao prestígio da GT Academy em novos locais, como o Phillip Island Grand Prix Circuit, em Melbourne, e o Autódromo Hermanos Rodríguez, na Cidade do México.

O que começou com milhares foi reduzido a apenas 28 pessoas por território, sendo que apenas 27 se dirigiram a Silverstone, onde o Júri Responsável Rob Barff lhes apresentou o Race Camp Internacional, de seis dias.

Austrália Índia México
Marcello Rivera (19) Abhinav Bhatt (28) Jorge Solorzano (24)
Benjamin Smith (19) Abhinay Bikkani (24) Ricky Rincon (33)
Peter Read (20) Prakash Nair (42) Ricardo Sánchez (24)
Dylan Gulson (22) Glen Ivan Suchitha (24) Jake Vite Prekop (21)
Josh Muggleton (27) Karl Patel (19) Francisco Fernández (28)
Luca Giacomin (23)   Aaron Miranda (24)
Médio Oriente Tailândia  
Waleed Abdulla Alghamdi (24) (Sau) Thanaroj Thanasitnitiket (18)  
Yasser Mansour AlMansour (25) (Sau) Sakasem Charoen (27)  
Ahmed Bin-Khanen (25) (Sau) Kriangkrai Chotima (35)  
Hadi Abdel Hadi (26) (Lbn) Jakraphan Davee (26)  
Mohammed Jamal (31) (Lbn) Chonthawatch Meepasanee (20)  

Com novos países vieram novos júris e um grupo de especialistas famosos, que inclui a lenda dos Supercarros V8 Rick Kelly, o ex-piloto de F1 Karun Chandhok, o piloto de Rali e Rei do Drift Abdo Feghali e o corredor de Fórmula de renome tailandês Tor Graves.

No Race Camp Internacional as primeiras impressões não são tudo, mas numa competição que dura apenas seis dias, um bom começo é aconselhado, e os resultados da Austrália foram exemplares em termos de preparação e trabalho árduo que dedicaram. Os grandes amigos Ben Smith e Marcello Rivero, de Melbourne, puxaram um pelo outro para entrarem no Race Camp, e esta força de camaradagem depressa se mostrou entre os seus companheiros de equipa, quando triunfaram no duro percurso de assalto Mud Mayhem (Caos na Lama), no primeiro dia.

Tendo vindo de alguns dos climas mais amenos do mundo, as condições climatéricas agrestes do Race Camp foram um abrir de olhos bem húmido, para os concorrentes. Foi também uma grande oportunidade para o desafio de drift do segundo dia, em que a atividade se tornou ainda mais entusiasmante com a presença da lenda do drift Abdo Feghali no local, para marcar a padrão.

O Race Camp Internacional deu as boas-vindas aos concorrentes no Desafio de Tráfego, Gincana, contrarrelógio em terra e corrida de stock car. Aqui, foram testados no Nissan GT-R, 370Z, Juke, e Micra (especialmente preparado), enquanto outras atividades, incluindo monolugares, buggies todo o terreno e crazy carts, apresentavam territórios desconhecidos para os concorrentes. Apesar do quartel-general do Race Camp estar no Stowe Circuit de Silverstone, os outros locais de corrida incluíram o Northampton International Raceway, a Escola de Rali de Londres, uma base aérea vazia, e ‘Tanks a Lot’ - uma quinta transformada em arena para tanques e outros veículos todo o terreno.

As atividades fora do circuito, como as entrevistas com os mentores e educação ARD, constituíram uma mudança de ritmo reconfortante, entre os momentos de pressão ao volante. O Desafio Laser - um teste de paciência, resistência, equilíbrio e concentração do piloto - foi mais uma análise diferente às capacidades do piloto ao volante.

O desafio de Buggy, no quinto dia, foi o penúltimo teste, onde os dois concorrentes restantes de cada território competiram pela sua posição da grelha de partida da corrida final, em que existiria apenas uma pessoa por território. Numa competição acesa que viu a equipa vencedora da Austrália a tremer no último momento, a Tailândia conseguiu a sua vitória mais recompensante até ao momento na competição, colocando-os na pole position da corrida final. O desafio ‘Dogfight’, no mesmo dia, era a última hipótese dos pilotos mostrarem que mereciam uma hipótese do título. Este final emocional da jornada para cinco concorrentes incluiu Prakash Nair da Índia, que com 42 anos era o concorrente mais velho da competição.

CAMPEÕES DE TERRITÓRIO
Josh Muggleton, Austrália
Abhinay Bikkani, Índia
Ricardo Sánchez, México
Ahmed Bin-Khanen, Médio Oriente
Thanaroj Thanasitnitiket, Tailândia

A corrida final, no sexto dia, foi a última tarefa do Race Camp, onde júris atentos observaram o National Circuit de Silverstone enquanto os cinco finalistas participavam numa acesa corrida de oito voltas. Ahmed Bin-Khanen, do Médio Oriente, tomou imediatamente a liderança sobre Thanaroj Thanasitnitiket, da Tailândia, que depressa caiu até ao final da corrida. Entretanto, Ricardo Sánchez, do México, subiu para a liderança, sendo rapidamente seguido por Josh Muggleton, da Austrália, que conseguiu chegar a segundo, a partir da última posição. Enquanto Abhinay Bikkani, da Índia, se esforçava por chegar a terceiro, à frente de Ahmed, o mexicano simplesmente recusava-se a desistir para Josh, que esteve sempre em cima dele. A corrida foi ganha por Ricardo, com uma vantagem de 6/10 de segundo sobre Josh.

Seguiu-se um intenso período de deliberação, enquanto os júris reunidos no BRDC de Silverstone decidiam quem era o campeão final. Quando os pilotos se dirigiram ao pódio, Rob Barff anunciou que Ricardo Sánchez era o vencedor da GT Academy Internacional de 2014. A competição tinha sido renhida, no entanto o seu potencial e habilidade crescentes que o levaram a terminar no topo em situações competitivas, abriram caminho a que Ricardo embarcasse no Programa de Desenvolvimento de Piloto e na Corrida 24 Horas do Dubai, em janeiro de 2015.