GT

Please select your country / region

Close Window
Comunidade do GT SPORT
BR
TopoLeia os relatóriosNations CupManufacturer SeriesCalendárioArquivos

Voltar para a lista

MANUFACTURER SERIES
A Toyota é a nova campeã dos construtores no 2º dia das "World Finals de 2019 - Mônaco"
23/11/2019

MONTE CARLO, Mônaco (23 de novembro de 2019) – As World Finals dos FIA Gran Turismo World Championships, realizadas no magnífico principado de Mônaco, chegaram hoje ao segundo dia de competição com a emocionante final da Manufacturer Series. Com uma chuva pesada e ventos fortes assolando o litoral, o clima era eletrizante no Sporting Monte Carlo Complex, com os favoritos da Mercedes-Benz querendo coroar um ano incrível em que venceram dois eventos da World Tour, em Nova York e Salzburgo.

Derrotar a Mercedes-Benz não parecia nada fácil em Mônaco: a equipe conquistou o melhor tempo nas classificações gerais, com Tom Lartilleux no volante. No entanto, a Toyota ainda estava no páreo, com seu ás do volante, Igor Fraga, decidido a reconquistar sua posição entre os melhores pilotos do mundo após um desempenho desastroso na semifinal da Nations Cup no dia anterior. Num lance brilhante na classificação dos 6 melhores, que determinava a ordem de largada da primeira corrida, ele conquistou a pole position para a Toyota, deixando para trás o construtor alemão. Estava tudo pronto para as equipes começarem a disputa.

Manufacturer Series, Corrida 1

Numa corrida de 20 voltas no circuito Dragon Trail - Gardens II, tudo se resumiu à estratégia no uso dos pneus. As regras exigiam o uso de compostos macios, médios e duros, cada um por no mínimo seis voltas, e cada piloto (num total de três por equipe) deveria correr por pelo menos cinco voltas. Em primeiro lugar no grid de largada, o brasileiro Igor Fraga escolheu usar pneus de composto macio para começar. Cody Nikola Latkovski (Austrália) deixou o Mercedes-Benz AMG GT3 de sua equipe em segundo lugar, enquanto Baptiste Beauvois (França) representou a equipe da Lexus com o RC F GT3 em terceiro.

Com pneus macios, a Toyota conseguiu deixar os demais pilotos para trás logo de cara, enquanto a Mercedes-Benz, que começou com pneus médios, decidiu deixar os pneus mais rápidos para depois. Paradoxalmente, os pneus mais duros, que eram mais lentos nas curvas, ajudaram a Toyota a deixar para trás a concorrência, especialmente a Lexus, que, com pneus macios, em 3º lugar, não conseguiu alcançar o AMG GT3, dando ao Supra uma liderança invejável no começo da corrida.

Por boa parte da disputa, a emoção estava entre os carros em posição intermediária: o Aston Martin V12 Vantage, o Alfa Romeo 4C, o Jaguar F-Type, o BMW, o Chevrolet Corvette C7 e o Ford GT LM Spec, todos na disputa pelo 4º lugar. A Porsche, enquanto isso, numa reviravolta surpreendente, e com o herói da World Tour de Tóquio, Angel Inostroza, na direção, despencou para os últimos lugares graças a diversas colisões com outros carros. Depois de colocar Matt Simmons (Austrália) no volante, o 911 RSR perdeu ainda mais posições, caindo para 10º, quando sofreu uma colisão lateral com um Corvette depois de sair da pista.

No final da Curva 12, a equipe da Mercedes-Benz entrou nos boxes para colocar pneus macios, numa arrancada final até a linha de chegada. A Toyota e a Lexus, em 1º e 2º lugar, agora usavam pneus de compostos duros, dando ao piloto da Mercedes-Benz, Tom Lartilleux, uma diferença de nove segundos para bater. O francês pilotou com muita destreza, conquistando sem maiores problemas o 3º lugar do Ford GT pilotado pelo americano Armen Aghakhan, que havia subido de posição enquanto o AMG GT3 estava nos boxes.

Enquanto o Aston Martin de Fabián Portilla (Chile) e o Jaguar do brasileiro Vinicius Neto disputavam o 7º lugar, Lartilleux finalmente alcançou o Lexus de Adriano Carrazza (Brasil) na penúltima volta, depois que o brasileiro se defendeu com garra dos avanços do AMG GT3. Mas, no fim, ele não conseguiu superar a diferença de velocidade entre os pneus duros e macios, que davam aproximadamente 3 segundos de vantagem por volta. Mas essa disputa impediu que a Mercedes-Benz se aproximasse do Supra, que era pilotado pelo francês Rayan Derrouiche. Assim, o Supra conquistou uma vitória relativamente tranquila, em boa parte graças a um excelente trabalho em equipe e uma consistência incrível do trio de pilotos da Toyota, que fez uma corrida praticamente impecável.

CLASSIFICAÇÃO CONSTRUTORA / PILOTOS TEMPO
1 Toyota Tomoaki Yamanaka / Rayan Derrouiche / Igor Fraga 30:45.075
2 Mercedes-Benz Cody Nikola Latkovski / Tom Lartilleux / Anthony Felix +03.413
3 Lexus Adriano Carrazza / Andrew Brooks / Baptiste Beauvois +04.785
4 BMW Coque López / Nicolás Rubilar / Randall Haywood +08.934
5 Alfa Romeo Daniel Solis / Alonso Regalado / Shogo Yoshida +13.051
6 Audi Hayden Hunter / Martin Grady / Tatsuhiko Kato +15.050
7 Ford Adam Wilk / Armen Aghakhan / Ádám Tápai +16.852
8 Aston Martin Fabian Portilla / Ayumu Takida / Nick McMillen +17.180
9 Jaguar Kenny Conomos / Vinicius Neto / Florent Pagandet +17.442
10 Chevrolet Koki Mizuno / Marco Mendoza / Matthew McEwen +20.355
11 Porsche Angel Inostroza / Tristan Bayless / Matt Simmons +20.583
12 Hyundai Kevan Pounder / Anthony Duval / Connor Healy +37.566

Manufacturer Series, Corrida 2

Com mais 12 pontos em disputa para conquistar o 1º lugar, o local da segunda corrida foi nada menos que a WeatherTech Raceway Laguna Seca, recém-incluída em Gran Turismo Sport neste fim de semana. A pista é a favorita de diversos competidores. Cada equipe recebeu a missão de completar 20 voltas em carros de corrida da categoria Gr.4, sob as mesmas regras gerais da Corrida 1: todos os três pilotos precisavam correr por pelo menos cinco voltas e usar os três tipos de compostos de pneu.

Por ter vencido a corrida anterior, a Toyota ficou na pole, com a Mercedes-Benz em segundo lugar e a Lexus e a BMW na segunda fileira. Tomoaki Yamanaka (Japão) estreou no volante da equipe da Toyota com seu 86 de pneus médios, enquanto Cody Nikola Latkovski (Austrália) assumiu a direção do Mercedes-Benz SLS AMG equipado com pneus macios.

A estratégia da Mercedes-Benz era clara: ultrapassar a Toyota o mais cedo possível e tentar abrir uma bela vantagem com os pneus macios, que eram aproximadamente dois segundos mais rápidos por volta do que os médios. O plano funcionou exatamente como se esperava, com o SLS ultrapassado pelo 86 na Curva 5. Enquanto isso, a BMW, com um M4 pilotado por Nicolás Rubilar (Chile), partiu para cima do francês Baptiste Beauvois, que pilotava o Lexus RC F, conquistando o 3º lugar.

O Audi TT Cup, pilotado por Tatsuhiko Kato (Japão), e o Alfa Romeo C4, comandado por Alonso Regalado (Peru), se viram numa disputa na Volta 4, enquanto o Aston Martin V8 Vantage de Ayumu Takita (Japão) subiu duas posições e chegou ao 5º lugar. A essa altura, a Mercedes-Benz estava começando a deixar o pessoal para trás, conquistando uma diferença de quatro segundos na liderança.

A maioria dos carros fez o primeiro pit stop na Volta 6, mas a Mercedes-Benz e a Lexus decidiram continuar na pista, tentando aproveitar ao máximo os pneus macios. As duas equipes só entraram nos boxes na Volta 8, com Anthony Felix (EUA) assumindo o SLS com pneus de borracha dura, enquanto Andrew Brooks (Canadá) foi pilotar o RC F com pneus médios.

Na Volta 12, o RC F finalmente alcançou o SLS AMG, graças aos pneus com mais aderência, conquistando assim a liderança geral. Mas, depois do último pit stop, o ás do volante da Mercedes-Benz, Cody Nikola Latkovski (Austrália), foi para cima de Adriano Carrazza (Brasil) e ultrapassou a Lexus na Volta 15. Enquanto isso, a Toyota, em 3º lugar, com o francês Rayan Derrouiche no volante, vinha com tudo, chegando a ultrapassar o RC F na curva Corkscrew na Volta 17 e encostando na traseira do SLS na Volta 19. Na última volta tivemos um duelo intenso, em que cada piloto se recusava a ceder um só centímetro. A chegada foi acirradíssima, com a Mercedes-Benz conseguindo cruzar a linha de chegada com ínfimos 0,062 segundos de diferença, conquistando a pole position na Grande Final.

CLASSIFICAÇÃO CONSTRUTORA / PILOTOS TEMPO
1 Mercedes-Benz Cody Nikola Latkovski / Tom Lartilleux / Anthony Felix 30:00.066
2 Toyota Tomoaki Yamanaka / Rayan Derrouiche / Igor Fraga +00.062
3 BMW Coque López / Nicolás Rubilar / Randall Haywood +03.704
4 Alfa Romeo Daniel Solis / Alonso Regalado / Shogo Yoshida +06.020
5 Lexus Adriano Carrazza / Andrew Brooks / Baptiste Beauvois +08.799
6 Aston Martin Fabian Portilla / Ayumu Takida / Nick McMillen +12.537
7 Audi Hayden Hunter / Martin Grady / Tatsuhiko Kato +16.438
8 Ford Adam Wilk / Armen Aghakhan / Ádám Tápai +22.596
9 Jaguar Kenny Conomos / Vinicius Neto / Florent Pagandet +23.858
10 Porsche Angel Inostroza / Tristan Bayless / Matt Simmons +27.004
11 Hyundai Kevan Pounder / Anthony Duval / Connor Healy +31.123
12 Chevrolet Koki Mizuno / Marco Mendoza / Matthew McEwen +51.930

Manufacturer Series, Grande Final

Para encerrar o ano, tivemos a última corrida para decidir que equipe seria coroada campeã da FIA Gran Turismo Manufacturer Series de 2019. Na Grande Final, os pontos valiam em dobro. Equipes como a BMW, a Lexus, a Alfa Romeo e a Aston Martin ainda tinham chance de tirar o título da Mercedes-Benz e da Toyota, que estavam no topo do placar, cada uma com 22 pontos. A Mercedes-Benz e a Toyota escolheram estratégias diferentes: a equipe alemã pegou seu ás do volante, Cody Nikola Latkovski (Austrália), para começar a corrida no AMG GT3 com pneus macios, enquanto a Toyota escolheu Tomoaki Yamanaka (Japão) para assumir o volante do GR Supra Racing Concept com pneus duros, os mais lentos dos três tipos. O local da corrida foi a sempre complexa Tokyo Expressway - Loop Interno Sul, em que a pista estreita é ideal para brincar de bate-bate: muita lataria seria testada aqui.

Yamanaka já começou mostrando seu talento, ultrapassando o SLS AMG de Latkovski na Volta 1 (a corrida teria 20), mesmo com pneus mais lentos. A BMW, com o americano Randall Haywood na direção, teve uma largada desastrosa, com o M6 GT3 saindo da pista na primeira curva, perdendo três posições e ficando em 6º lugar. O que já era ruim ficou ainda pior para a Mercedes-Benz: algumas voltas depois, a Alfa Romeo, com o japonês Shogo Yoshida na direção, ultrapassou a equipe.

Conforme os carros chegavam a 260 km/h na reta oposta, onde a Mercedes-Benz reconquistava o 2º lugar, os primeiro oito colocados se amontoavam, todos com pouco menos de um segundo de diferença entre si. A liderança passou de mão em mão várias vezes ao longo das próximas voltas, com a Toyota, a BMW e a Mercedes-Benz se revezando na frente. Mas, na Volta 6, as quatro primeiras equipes começaram a se afastar das demais. Todos os carros, com exceção da BMW, foram para os boxes. Anthony Felix (EUA) assumiu o volante da Mercedes-Benz (com pneus duros), enquanto Rayan Derrouiche (França) pegou a direção do Supra (com pneus médios).

Derrouiche conseguiu ultrapassar Felix na volta seguinte para ficar com a liderança geral. Isso fez com que os outros carros partissem para cima da Mercedes-Benz, numa ofensiva que deixou a equipe em 6º lugar. Enquanto a disputa ficava acirrada pelo 2º até o 6º lugar, a Toyota já estava cinco segundos à frente do resto na Volta 10, bem na metade da corrida. A essa altura, a Alfa Romeo vinha em 2º lugar, com Alonso Regalado (Peru) na direção. O Jaguar F-Type de Vinicius Neto (Brasil), que largou em 9º lugar, já vinha logo atrás.

Depois do último pit stop, Fraga assumiu a direção do Supra, com pneus macios, enquanto o principal piloto da Mercedes-Benz, Tom Lartilleux (França), lutava para conquistar o 2º lugar na Volta 14. Mas a única maneira de alcançar a Toyota, que estava com uma liderança de dez segundos naquele momento, era se Fraga errasse feio na direção. Será que isso aconteceria de novo?

Nas última voltas, tivemos a aparição repentina do Chevrolet Corvette C7, pilotado pelo japonês Koki Mizuno, que veio do nada para disputar o 3º lugar, subindo nove posições desde o início da corrida. Com o Supra praticamente garantindo a vitória, a batalha pelos dois lugares no pódio que ainda sobravam só estava esquentando. O público não tirava os olhos da corrida enquanto os carros ganhavam e perdiam posições, mas, quando a poeira baixou, foi a Mercedes-Benz que ficou com o 2º lugar e, para a surpresa geral, a equipe da Chevrolet ficou com o 3º.

Após a contagem de pontos, a Toyota foi consagrada como campeã da FIA GT Manufacturer Series de 2019, seguida pela Mercedes-Benz, Alfa Romeo, Aston Martin e Lexus, nessa ordem.
Para Fraga, a vitória justificou seu fraco desempenho na Nations Cup. Depois da corrida, ele disse: "Depois do que aconteceu ontem, a sensação é boa e ruim, mas eu ainda tinha essa meta que era conquistar a Manufacturer Series. Estou muito feliz porque a minha equipe conseguiu o que queria, e eu não podia ter conquistado isso sem meus colegas, Tomoaki (Yamanaka) e Rayan (Derrouiche)."

Latkovski, da finalista Mercedes-Benz, disse: É ótimo estar no pódio. Tenho muito orgulho do que conquistamos, mas infelizmente a situação não nos favoreceu, e cometemos alguns erros de estratégia, mas corrida é assim mesmo. Não sei como agradecer a Anthony (Felix) e Tom (Lartilleux), meus colegas, e tirou o chapéu para a equipe da Toyota pelo ótimo desempenho."

CLASSIFICAÇÃO CONSTRUTORA / PILOTOS TEMPO
1 Toyota Tomoaki Yamanaka / Rayan Derrouiche / Igor Fraga 39:43.160
2 Mercedes-Benz Cody Nikola Latkovski / Tom Lartilleux / Anthony Felix +12.627
3 Chevrolet Koki Mizuno / Marco Mendoza / Matthew McEwen +16.882
4 Alfa Romeo Daniel Solis / Alonso Regalado / Shogo Yoshida +17.043
5 Aston Martin Fabian Portilla / Ayumu Takida / Nick McMillen +17.850
6 Ford Adam Wilk / Armen Aghakhan / Ádám Tápai +18.788
7 Jaguar Kenny Conomos / Vinicius Neto / Florent Pagandet +18.956
8 Porsche Angel Inostroza / Tristan Bayless / Matt Simmons +21.057
9 Lexus Adriano Carrazza / Andrew Brooks / Baptiste Beauvois +23.321
10 Audi Hayden Hunter / Martin Grady / Tatsuhiko Kato +24.329
11 Hyundai Kevan Pounder / Anthony Duval / Connor Healy +40.504
12 BMW Coque López / Nicolás Rubilar / Randall Haywood +44.191
CLASSIFICAÇÃO CONSTRUTORA / PILOTOS CORRIDA 1 CORRIDA 2 GRANDE FINAL TOTAL DE PONTOS
1 Toyota Tomoaki Yamanaka / Rayan Derrouiche / Igor Fraga 12 10 24 46
2 Mercedes-Benz Cody Nikola Latkovski / Tom Lartilleux / Anthony Felix 10 12 20 42
3 Alfa Romeo Daniel Solis / Alonso Regalado / Shogo Yoshida 6 7 14 27
4 Aston Martin Fabian Portilla / Ayumu Takida / Nick McMillen 3 5 12 20
5 Lexus Adriano Carrazza / Andrew Brooks / Baptiste Beauvois 8 6 4 18
6 Chevrolet Koki Mizuno / Marco Mendoza / Matthew McEwen 1 0 16 17
7 Ford Adam Wilk / Armen Aghakhan / Ádám Tápai 4 3 10 17
8 BMW Coque López / Nicolás Rubilar / Randall Haywood 7 8 0 15
9 Jaguar Kenny Conomos / Vinicius Neto / Florent Pagandet 2 2 8 12
10 Audi Hayden Hunter / Martin Grady / Tatsuhiko Kato 5 4 2 11
11 Porsche Angel Inostroza / Tristan Bayless / Matt Simmons 0 1 6 7
12 Hyundai Kevan Pounder / Anthony Duval / Connor Healy 0 0 0 0
FIA GT Championships 2019 | Manufacturer Series | World Finals | Final
Após um desempenho incrível na World Tour, será que a Merced...

Voltar para a lista