GT

Please select your country / region

Close Window
Comunidade do GT SPORT
BR
TopoLeia os relatóriosNations CupManufacturer SeriesCalendárioArquivos

Voltar para a lista

NATIONS CUP
Não tem pra ninguém: Mikail Hizal conquista o cobiçado título da "Nations Cup de 2019"
24/11/2019

MONTE CARLO, Mônaco (24 de novembro de 2019) – Os FIA Gran Turismo Championships chegaram ao fim hoje no Sporting Monte Carlo Complex, em Mônaco, com o grande evento do fim de semana: a final da Nations Cup. Sem o atual campeão, Igor Fraga (Brasil), na competição, o franco favorito para conquistar o cobiçado troféu da FIA GT — inspirado na escultura "Formas Únicas de Continuidade no Espaço", de Umberto Boccioni — era o alemão Mikail Hizal, que demonstrara uma velocidade incrível durante todo o fim de semana e parecia ser praticamente imbatível. No entanto, Cody Nikola Latkovski (Austrália) e Takuma Miyazono (Japão) estavam determinados a contrariar as estatísticas.

A sessão classificatória geral de sexta-feira peneirou os 36 pilotos — vindos de 18 países e territórios — para chegar a 12 finalistas. Esses pilotos, então, começaram do zero no domingo com uma classificatória, seguida de quatro corridas. Com o astro da Fórmula 1 Max Verstappen na plateia, Hizal já chegou chegando, mostrando para os demais competidores que não estava para brincadeira, marcando o melhor tempo de volta no Autodromo Nazionale Monza e conquistando a pole da primeira corrida. Miyazono terminou logo atrás do alemão, com o francês Baptiste Beauvois em 3º lugar. Latkovski, que não conseguiu entrar num ritmo bom na pista, acabou em 5º. Agora era hora de os competidores se enfrentarem e acumularem o máximo possível de pontos nas três corridas preliminares, tentando manter um ritmo bom até chegar à Grande Final, em que os pontos valeriam em dobro.

Final da Nations Cup, Corrida 1

Tudo indicava que a disputa seria acirrada na primeira corrida, na qual os pilotos dariam 12 voltas com carros de corrida Motul Autech GT-R Super GT. A pista era o Autodromo Nazionale Monza, um percurso rápido, com pouquíssimas oportunidades de ultrapassagem. Usar o vácuo seria uma estratégia importante aqui, obrigando os primeiros colocados a não tirar o olho do retrovisor.

Depois de um bom desempenho na rodada da semifinal, na sexta-feira, quando seu principal rival foi eliminado da competição mais cedo (Igor Fraga, do Brasil), o alemão Mikail Hizal ficou na pole. A corrida pedia o uso de pneus médios e duros, e os quatro primeiros lugares no grid (Hizal, o francês Baptiste Beauvois, o japonês Takuma Miyazono e o húngaro Patrik Blazsán) escolheram começar com os mais leves dos dois pneus Michelin, na esperança de conseguir uma boa vantagem antes de pegar os pneus pesados.

Quando a bandeira verde desceu, Hizal disparou, deixando todo mundo para trás. Beauvois, por outro lado, cometeu um erro logo de cara e recebeu 0,5 segundo de penalidade, deixando que Miyazono pegasse o 2º lugar. Blazsán também ultrapassou o francês e ficou com o 3º lugar, enquanto o resto dos pilotos, todos com pneus duros, ficavam para trás.

Conforme o trio na liderança de Hizal, Miyazono e Blazsán ganhava forma, Miyazono recebeu a missão ingrata de tentar alcançar Hizal ao mesmo tempo em que precisava se defender dos avanços de Blazsán por trás. Blazsán não dava descanso para o japonês, tentando desviar a atenção deste do ápice das curvas e desconcentrá-lo, tudo para que Hizal ganhasse mais alguns centésimos de segundo de vantagem a cada volta.

Na Volta 7, já com uma folga considerável, o grupo na liderança, com Hizal na ponta, entrou nos boxes para pegar pneus duros. Enquanto isso, Coque López (Espanha), depois de uma incrível reviravolta na repescagem de sexta-feira, conseguiu fazer uma ultrapassagem ousada na Curva 1, obrigando Jonathan Wong (Hong Kong) a sair da pista. Isso permitiu que Cody Nikola Latkovski (Austrália) também ultrapassasse.

Na Volta 8, Wong e dois pilotos italianos, Giorgio Mangano e Salvatore Maraglino, entraram num confronto triplo que resultou em Maraglino conquistando o 7º lugar. Para a surpresa de todos, Rayan Derrouiche (França) despencara para o 12º lugar, onde ficou devido a uma série de penalidades.

Com três voltas para a corrida acabar, Miyazono seguiu no encalço de Hizal durante a Volta 9, com apenas 0,37 segundo de diferença entre os dois. Na Volta 10, o japonês tentou usar o vácuo para ultrapassar Hizal, mas o alemão conseguiu segurá-lo. Aí, de repente, Blazsán foi para a traseira de Miyazono. Na última volta, os três estavam colados, e, apesar das tentativas de Blazsán, Miyazono conseguiu manter sua posição e terminar a corrida em 2º lugar. Hizal cruzou a linha de chegada para conquistar uma vitória merecida. Beauvois, que fez um lance arriscado por fora da pista na última curva da corrida (a Parabolica), conseguiu roubar o 3º lugar do húngaro. Na hora ninguém sabia, mas Blazsán daria o troco no francês por ter roubado sua posição.

CLASSIFICAÇÃO PILOTO TEMPO
1 Mikail Hizal TRL_LIGHTNING 20:07.771
2 Takuma Miyazono Kerokkuma_ej20 +00.352
3 Baptiste Beauvois Veloce_TsuTsu +01.129
4 Patrik Blazsán Williams_Fuvaros +01.142
5 Cody Nikola Latkovski Nik_Makozi +03.166
6 Coque López Williams_Coque14 +06.490
7 Salvatore Maraglino JIM_Pirata666_ +10.739
8 Daniel Solis CAR_Lamb +13.997
9 Giorgio Mangano Williams_Gio +14.257
10 Nicolás Rubilar FT_NicoR +14.959
11 Jonathan Wong CAR_Saika +15.290
12 Rayan Derrouiche Veloce_Miura +15.345

Final da Nations Cup, Corrida 2

Consistência era a alma do negócio na segunda corrida na final da Nations Cup. Realizada no histórico Circuit de Spa-Francorchamps em condições de chuva, os competidores resolveram não arriscar com seus Dallara SF19 Super Formula Toyotas. Esses monopostos de corrida têm uma potência incrível e são capazes de gerar 542 cavalos-força em condições normais. Para a corrida, todos foram equipados com um modo de ultrapassagem que incluiu mais 80 cavalos nos motores turbinados da Toyota. Só que ninguém se arriscou a usar toda essa potência na pista molhada.

Largando na pole position, o alemão Mikail Hizal conseguiu deixar todo mundo para trás de novo assim que a corrida começou. Sem nenhum adversário à frente e (o que talvez fosse mais importante) ninguém para jogar água no para-brisa, Hizal dirigiu o carro com concentração total, fazendo as oito voltas da corrida de maneira rápida e consistente, chegando a aproximadamente 300 km/h na reta frontal, apesar da chuva.

Nas últimas voltas da corrida, ele já estava a uns bons cinco segundos na frente do 2º colocado, Takuma Miyazono (Japão). Seria fácil para Hizal reduzir o ritmo, já que a tração do potente SF19 estava ajustada milimetricamente para a chuva, mas ele continuou acelerando, aumentando ainda mais a vantagem a cada volta.

Miyazono segurou o 2º lugar durante toda a corrida, com Baptiste Beauvois (França) conquistando um respeitável 3º lugar. O húngaro Patrik Blazsán veio logo atrás, em 4º, enquanto o queridinho da torcida, Cody Nikola Latkovski (Austrália), conseguiu chegar em 5º. Com as condições perigosas, os pilotos tiveram todo o cuidado do mundo nessa segunda rodada da final da Nations Cup, que serviu apenas para consolidar a classificação de pontos de todos os pilotos.

CLASSIFICAÇÃO PILOTO TEMPO
1 Mikail Hizal TRL_LIGHTNING 18:34.974
2 Takuma Miyazono Kerokkuma_ej20 +06.228
3 Baptiste Beauvois Veloce_TsuTsu +07.678
4 Patrik Blazsán Williams_Fuvaros +09.121
5 Cody Nikola Latkovski Nik_Makozi +11.197
6 Coque López Williams_Coque14 +13.479
7 Salvatore Maraglino JIM_Pirata666_ +15.956
8 Daniel Solis CAR_Lamb +18.278
9 Nicolás Rubilar FT_NicoR +19.490
10 Giorgio Mangano Williams_Gio +22.458
11 Jonathan Wong CAR_Saika +23.829
12 Rayan Derrouiche Veloce_Miura +24.910

Final da Nations Cup, Corrida 3

A penúltima corrida da Nations Cup de 2019 pegou fogo no Circuit de la Sarthe, lar das lendárias 24 Horas de Le Mans. Fazendo jus à ocasião, a máquina escolhida para a corrida foi o Mazda LM55 Gran Turismo, um protótipo inspirado na famosa vitória que a marca japonesa conquistou em 1991, já que o 787B ainda é o único carro de motor rotativo a ter vencido essa prova brutal de resistência.

A terceira corrida da final da Nations Cup de 2019 exigiu pneus médios e duros e uma parada para reabastecer ao longo de seis voltas. Todos começaram com pneus duros, salvo pelo húngaro Patrik Blazsán, que esperava subir de posição já no começo da corrida enquanto os outros faziam pit stops. Assim que a bandeira verde desceu, a corrida já pegou fogo, com Takuma Miyazono (Japão) ultrapassando o líder geral Mikail Hizal (Alemanha) na primeira série de curvas. Mas a alegria do piloto japonês duraria pouco, e Hizal recuperaria a posição usando o vácuo do adversário na reta Mulsanne, que é de alta velocidade.

O francês Baptiste Beauvois veio com tudo no fim da reta, ultrapassando Hizal e Miyazono, mas o alemão tinha uma linha de corrida melhor, além de muita velocidade ao sair da curva, e conseguiu reconquistar a liderança. Então, Miyazono e Beauvois disputaram o 2º lugar, mas foi aí que o japonês exagerou na direção ofensiva e empurrou o francês para fora da pista. O resultado foi uma arrasadora penalidade de quatro segundos que acabou deixando Miyazono em último lugar. Foi um erro do qual ele não conseguiu se recuperar. Assim, Cody Nikola Latkovski (Austrália) tinha tudo na mão para ficar com o 2º lugar... E isso foi só o que aconteceu na primeira volta.

Na Volta 2, o azarão Coque López (Espanha), cujo novo corte de cabelo era o assunto do momento, foi do 6º lugar para conquistar a 2ª posição. No final da volta, todos exceto Blazsán entraram nos boxes para pegar pneus médios. Infelizmente, a estratégia do húngaro de ficar mais tempo na pista não compensou, já que ele não conseguiu conquistar uma boa vantagem. Depois de pegar pneus duros, ele saiu dos boxes em um decepcionante 4º lugar.

Enquanto isso, uma penalidade imposta a López fez com que Latkovski o ultrapassasse na reta Mulsanne, recuperando assim o 2º lugar. Na última volta, Latkovski e López entraram num duelo, se revezando nas posições, deixando que Hizal cruzasse a linha de chegada na maior tranquilidade.

Com três vitórias em três corridas, o alemão tinha tudo para conquistar o título mundial. Miyazono mostrou toda sua garra ao sair da última posição e terminar em 7º, mantendo assim o 2º lugar na classificação geral. Ficando na frente de Beauvois, Latkovski conseguiu manter o 3º lugar, enquanto López terminou em 5º. E, assim, o terreno estava preparado para a Grande Final.

CLASSIFICAÇÃO PILOTO TEMPO
1 Mikail Hizal TRL_LIGHTNING 19:05.831
2 Cody Nikola Latkovski Nik_Makozi +05.974
3 Coque López Williams_Coque14 +07.130
4 Rayan Derrouiche Veloce_Miura +07.681
5 Baptiste Beauvois Veloce_TsuTsu +08.323
6 Giorgio Mangano Williams_Gio +08.935
7 Takuma Miyazono Kerokkuma_ej20 +11.034
8 Daniel Solis CAR_Lamb +12.161
9 Jonathan Wong CAR_Saika +13.788
10 Patrik Blazsán Williams_Fuvaros +15.730
11 Salvatore Maraglino JIM_Pirata666_ +17.833
12 Nicolás Rubilar FT_NicoR +20.489

Nations Cup, Grande Final

O local da última corrida dos FIA GT Championships de 2019 foi o Autódromo de Interlagos, no Brasil. Os pilotos ficariam no volante de um Red Bull X2019 Competition durante uma corrida de 22 voltas para decidir o campeão das World Finals de 2019. Diferentemente das três primeiras corridas, aqui os pilotos teriam que usar os três tipos de pneus por no mínimo seis voltas, fazendo com que cada um tivesse que entrar nos boxes pelo menos duas vezes. Quase todos os primeiros colocados escolheram começar a corrida com pneus Michelin médios. A única exceção foi o dono da pole, Mikail Hizal, que escolheu pneus macios. Era claro que ele queria deixar todo mundo para trás já de cara, para ganhar uma liderança folgada que o levaria até a linha de chegada.

A bandeira verde desceu, e Hizal manteve a liderança até a primeira curva. Daniel Solis (EUA), cujo desempenho brilhante até aqui era possivelmente a surpresa do fim de semana, não perdeu tempo e tirou vantagem dos pneus macios para sair do 8º lugar e ficar em 3º no espaço de três voltas. Na Volta 4, o plano de Hizal funcionava às mil maravilhas: ele já estava com uma liderança de quatro segundos em relação ao resto dos competidores.

As voltas seguintes foram vertiginosas, com os carros alcançando 300 km/h na reta frontal e oposta. Baptiste Beauvois (França) e Takuma Miyazono (Japão) ultrapassaram Coque López (Espanha) para ficar com o 4º e o 5º lugar, respectivamente, enquanto Solis seguia no encalço de Cody Nikola Latkovski, em busca do 2º lugar.

Na Volta 8, boa parte dos que estavam em posições intermediárias teve que fazer uma parada nos boxes, mas Hizal e Solis continuaram na pista, querendo aproveitar ao máximo os pneus macios, aproximadamente um segundo mais rápido por volta do que os médios. Latkovski decidiu deixar os pneus macio para o final, enquanto Miyazono e Beauvois vieram com tudo, querendo ultrapassar Hizal, que entrou nos boxes na volta seguinte, pegando pneus médios.

Duas voltas depois, Beauvois, com pneus mais rápidos, deixou Solis para trás, que estava com pneus médios, na curva de alta velocidade Arquibancada. Miyazono, determinado a chegar de qualquer jeito ao pódio das World Finals, fez o mesmo, freando mais tarde que Solis na Curva 4 para conquistar a terceira posição, quatro colocações acima de onde havia começado. Enquanto isso, Latkovski estava perdendo o ritmo com os pneus duros. No fim, ele acabou caindo para a 7ª posição.

Boa parte dos pilotos fez o último pit stop na Volta 13. Quem guardou os pneus macios para essa arrancada final não perdeu tempo em voltar para a pista. Jonathan Wong (Hong Kong) ultrapassou Solis para ficar com o 5º lugar, enquanto Latkovski disparou entre Miyazono e Beauvois para ficar com o 2º lugar. A pergunta era: será que o australiano teria tempo suficiente para ir atrás de Hizal, que, a essa altura, tinha uma vantagem de oito segundos?

Miyazono estava tentando segurar sua posição a qualquer custo, pois o 3º colocado não teria só um lugar no pódio da corrida como também no pódio das World Finals. Mas sua estratégia de deixar os pneus duros para o final não funcionou conforme o esperado: Beauvois, que também teria um lugar no pódio caso terminasse em 3º, acabou ultrapassando o piloto japonês na última volta. Foi aí que, do nada, veio o húngaro Patrik Blazsán, equipado com pneus Michelin macios, e ultrapassou o francês na Curva 9, deixando Beauvois em 4º lugar e roubando seu lugar no pódio, entregando essa honra de bandeja para Miyazono. Blazsán havia se vingado pelo que acontecera na primeira corrida do dia (talvez Miyazono devesse levar o piloto húngaro para jantar sushi depois dessa ajudinha).

Mas o protagonista da história era Hizal, que dominou por completo as World Finals, liderando a corrida durante quase todas as voltas e marcando 66 pontos, o máximo possível, com 18 pontos de folga em relação ao 2º colocado, Latkovski, que apesar de não ter tido o melhor dos desempenhos, mostrou por que é considerado um dos melhores pilotos do automobilismo virtual.

Sempre tranquilo, Hizal disse, depois de conquistar o troféu da Nations Cup: "Sinceramente, estou aliviado porque essa deve ser a minha última participação nas World Finals. Caso eu não possa voltar por causa dos estudos, eu queria dar o meu melhor nesta edição. Eu estava muito ansioso para hoje, não queria cometer nenhum erro, mas deu tudo certo. Não dá para acreditar. Essa era a minha meta do ano, e agora que eu consegui, estou tão feliz."

Latkovski, um dos finalistas da corrida, afirmou o seguinte: "Estou muito feliz com o resultado. A classificatória não foi tão boa quanto eu queria, mas eu tentei tomar cuidado, sem me arriscar muito. Acho que dirigi do jeito certo, sem nenhuma irregularidade, o que era o importante. Infelizmente, não consegui alcançar o Mik (Hizal), mas esse era o ano dele. Eu venho correndo com ele desde 2013, é um cara incrível e um piloto excepcional. É uma honra ser amigo dele."

O último lugar do pódio ficou com Miyazono, que disse o seguinte após a corrida: "Estou muito feliz de estar aqui hoje, mas um pouco decepcionado com o que aconteceu em Sarthe, onde eu joguei fora as minhas chances. Eu ainda acho que preciso ser mais rápido para ganhar, e tenho que aprender a hora de diminuir o ritmo e a hora de atacar numa disputa. Para o ano que vem, vou trabalhar nessas áreas para voltar como um piloto melhor."

CLASSIFICAÇÃO PILOTO TEMPO
1 Mikail Hizal TRL_LIGHTNING 29:20.343
2 Cody Nikola Latkovski Nik_Makozi +04.862
3 Patrik Blazsán Williams_Fuvaros +10.328
4 Baptiste Beauvois Veloce_TsuTsu +10.442
5 Takuma Miyazono Kerokkuma_ej20 +13.322
6 Rayan Derrouiche Veloce_Miura +17.022
7 Jonathan Wong CAR_Saika +17.054
8 Salvatore Maraglino JIM_Pirata666_ +17.421
9 Coque López Williams_Coque14 +19.450
10 Giorgio Mangano Williams_Gio +21.728
11 Daniel Solis CAR_Lamb +24.017
12 Nicolás Rubilar FT_NicoR +31.824
CLASSIFICAÇÃO PILOTO Semi-Final CORRIDA 1 CORRIDA 2 CORRIDA 3 GRANDE FINAL TOTAL DE PONTOS
1 Mikail Hizal TRL_LIGHTNING 6 12 12 12 24 66
2 Cody Nikola Latkovski Nik_Makozi 6 6 6 10 20 48
3 Takuma Miyazono Kerokkuma_ej20 6 10 10 4 12 42
4 Baptiste Beauvois Veloce_TsuTsu 5 8 8 6 14 41
5 Patrik Blazsán Williams_Fuvaros 4 7 7 1 16 35
6 Coque López Williams_Coque14 1 5 5 8 4 23
7 Rayan Derrouiche Veloce_Miura 4 0 0 7 10 21
8 Salvatore Maraglino JIM_Pirata666_ 2 4 4 0 6 16
9 Jonathan Wong CAR_Saika 5 0 0 2 8 15
10 Giorgio Mangano Williams_Gio 5 2 1 5 2 15
11 Daniel Solis CAR_Lamb 3 3 3 3 0 12
12 Nicolás Rubilar FT_NicoR 4 1 2 0 0 7
FIA GT Championships 2019 | Nations Cup | World Finals | Final
Qual piloto de GT conquistará o título de mais rápido do mun...

Voltar para a lista